EU E MEUS CONFLITOS. SERÁ?

EU E MEUS CONFLITOS. SERÁ?

Por Pr. Adriano Gomes1238948_10200538974107384_601017244_n

Designar o termo conflito por si só já pode gerar um, sem mesmo saber sua definição. Eles são uma realidade constante em nossa cabeça. Que podem ser gerados pelas situações mais simples como a escolha da roupa que vou usar para ir trabalhar hoje. Por mais simples que pareça essa escolha é cercada de fatores que irão determinar minha decisão, huuum….. quero ir de roupa esporte com um tênis bacana, mas pensando bem não posso, terei uma reunião na empresa com o diretor, por tanto tenho que ir trajando social. O conflito surge quando há a necessidade de escolha entre situações que podem ser consideradas incompatíveis.
Basicamente podemos afirmar que é um sintoma típico causado por interesses divergentes, entre querer e poder. Permeado de sentimentos e percepções adicionado valores morais e espirituais e temos então a mistura pronta. Resultando quase sempre em consequências geralmente de disputas, desentendimentos, decepções e frustrações.
A Bíblia nos mostra que o Senhor nos deu o direito do livre arbítrio, mas também deixa claro que somos responsáveis pelas consequências de nossas escolhas, a conhecida lei da semeadura (Gl 6.7-8). Não é de hoje que existem os conflitos, eles são precedentes ao ser humano, na esfera humana iniciaram com a pior e mais trágica consequência para a raça humana. Eis a questão: Como ou não como? Provo ou não provo? Deus disse para não tocar nos frutos dessa árvore, mas eles são tão lindos, parecem tão saborosos, ainda pode me tornar igual a Ele, mas se eu provar com certeza Deus não irá se agradar, então o que faço? (Cf. Gn 3.1-6).
O Profeta Balaão viveu o dilema entre ser servo ou príncipe, tudo o que ele tinha foi conquistado, sua honra, sua fama, seu poder de abençoar e até amaldiçoar, foi sob a benção do Altíssimo, por conta das revelações de Deus a ele, mas quando lhe fora feito a proposta de recompensa financeira e o status de príncipe, ele viveu seu maior conflito, agradar a Deus e continuar como servo, ou, agradar ao rei Balaque e tornar se príncipe sem a graça e a benção do Senhor (cf Nm 22).
Somos sempre impulsionados a desejar e buscar aquilo que satisfaz nosso ego, independente se analisamos os riscos e ou consequências que irão decorrer de NOSSA escolha e decisão. Escolhas e decisões como: estar onde, com quem, de que forma, em que hora, o que ouvir, o que ver, o que fazer.
Reflita:
Jovem, alegra-te na tua mocidade! Sê feliz o teu coração nos dias da tua juventude. Segue os caminhos que o teu coração indicar e todos os desejos dos teus olhos; saibas, contudo, que tudo quanto fizeres passará pelo julgamento de Deus (Ec 11.9; Grifo do Autor).
Quem achar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á (Mt 10.39; Grifo do Autor)

Porque Deus conduzirá a Juízo tudo quanto foi realizado e até mesmo o que ainda está escondido; quer seja bem, quer seja mal (Ec 12.14; Grifo do Autor).

Concluindo, caros irmãos, absolutamente tudo o que for verdadeiro, tudo o que for honesto, tudo o que for justo, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, nisso pensai  (Fp 4.8; Grifo do Autor).

Comment(1)

  1. Responder
    Edvaldo Filho says

    Excelente abordagem, leitura de fácil compreensão onde é possível observar uma conversa franca entre a psicologia e teologia. Parabéns que Deus possa continuar abençoando graciosamente.

Deixe um comentário